Publication: “Francisco Franco is Back: The Contested Reemergence of a Fascist Moral Exemplar” by F. Ferrandiz

Our colleague Francisco Ferrandiz recently published a paper in Comparative Studies in Society and History entitled “Francisco Franco is Back: The Contested Reemergence of a Fascist Moral Exemplar”.

You can find the article on Open Access on the Journal’s website.

The issue also features an interview-debate with Francisco Ferrandiz on the issues raised: “Fascist Afterlives: Thoughts on Dictators, Dead Bodies, and Bodies Politics”.

Livro digital: Gestão da Morte e Modos de Produção de Memórias na Pandemia do Novo Coronavírus (Open Access)

O livro digital “Gestão da Morte e Modos de Produção de Memórias na Pandemia do Novo Coronavírus”, coordenado por Simone Rodrigues Pinto, CRV ed., está disponível para acesso gratuito:

https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/37010-gestao-da-morte-e-modos-de-producao-de-memoria-na-pandemia-do-novo-coronavirus

Os diversos textos nesta coletânea são representativos das reflexões do grupo de pesquisa Biopolítica, Racionalidade Neoliberal e Desaparecidos Sociais, realizadas durante o período de pandemia do novo coronavírus. (…) Todas elas permeiam o debate sobre os “desaparecidos sociais”, uma população atingida fortemente pela chegada e pelo avanço da pandemia no Brasil. A sua simples menção envolve um problema ontológico porque eles “não são”, são os desrealizados, despossuídos, cujas vidas são tão precárias que a morte não é digna de ser lembrada. (…). Vidas (ou mortes) sem rastros, sem memória, sem luto.  São indígenas, mulheres, negros, encarcerados, crianças, idosos e muitas outras vidas precárias de nossa sociedade que ganharam destaque nas linhas desta obra.

“Malvinas, símbolo y lugar de toda las voces” : Laura Panizo en Pagina 12

Nuestra colega Laura Panizo publicó un en la revista Pagina 12 una reflexión sobre su relación con el trabajo de campo, los afectos que despierta y la experiencia etnográfica.

Recordé mi trabajo etnográfico sobre la experiencia de guerra, y que al igual que las charlas en ambientes académicos y mundanos, (y que la conexión con los símbolos y su interpretación) me habían hecho sentir corporalmente afectada.

L. Panizo

Leer “Malvinas, símbolo y lugar de toda las voces” en Pagia 12

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search